Dentro do Entre
Dentro do Entre
Com anelares e indicadores


sexta-feira, outubro 31, 2003  

Levanto os joelhos
e colo-os as maos, num adivinhar de embate proximo.

posted by Cat S | 6:12 da tarde
 

Let yourself be beautiful...

(ao J.S.)

posted by Cat S | 10:33 da manhã
 

Manhãs em papel
onde as palavras se esticam sem o alcance,
porque há tamanhos e alturas presos ao corpo,
que vêem na verbalização a impossibilidade de soltura.

posted by Cat S | 10:00 da manhã


quinta-feira, outubro 30, 2003  

Sempre que entro no quarto percorro a olhos os cantos das paredes.
Hoje estavam la. Duas aranhas no tecto, concerteza a meio de um dialogo de teias.
Isto das aranhas interfere-me com a vida.
Mudo constantemente os trajectos e ja me vi a dormir num outro quarto la de casa para me poupar a conjuntos de patas e a penduricancos de teia complicados.
Se alguem conhecer uma qualquer forma de dissuadir a criatura da entrada em casas alheias, agradeco a partilha.

posted by Cat S | 3:21 da tarde
 

Meco a intensidade metafisica
pelo sentido de falta,
essa ausencia em alarme
que grita canticos de juncao
na consistencia permanente do tempo.

(dedicado ao leito que deixei hoje, cedo demais)

posted by Cat S | 11:41 da manhã


quarta-feira, outubro 29, 2003  

Twenty nine pearls in your kiss
a singing smile,
coffee smell
and lilac skin
your flame in me...


Ao P. agradeço a música e ao J. a vontade de cantar.

posted by Cat S | 9:06 da tarde
 

Bons dias, dias bons, dias cheios e dias plenos.
Soltar o corpo, soltar a vontade e soltar o cabelo.
Andarmos assim, em pes e sem sentir o chao, com baloes de pastilha a darem toques de asa.
E sermos muito, sermos tudo, sermos completamente e sermos absolutamente.
Um todo-em-toda-a-parte para o momento que se serve agora.

posted by Cat S | 10:10 da manhã
 

Sei-me por ti e sei-me contigo.

posted by Cat S | 9:53 da manhã


terça-feira, outubro 28, 2003  

As reprografias e as secretarias são locais inóspitos onde o tempo pára e onde os caninos se aguçam.
A senha raramente garante atendimento.

posted by Cat S | 8:53 da tarde
 

A manhã de hoje aconteceu devagar, ilegível nos primeiros minutos de vigília.
A mudança de hora trouxe-me a luz no primeiro abrir de cortina e deu-me um jeitão no fim de semana.
Houve alguém que sugeriu, entre a brincadeira e o tom sério, que se atrasasse o relógio todos os dias...uma espécie de estender de pé para a rasteira no tempo.
Pus a dica no bolso e num destes dias embarco no caos temporal.

posted by Cat S | 9:32 da manhã


segunda-feira, outubro 27, 2003  

Neste fim de semana, dialogos de pele.

posted by Cat S | 3:41 da tarde


sexta-feira, outubro 24, 2003  

Desejo ardentemente, absolutamente,
desejo com muita forca
conseguir por acentos e cedilhas no que por aqui vou escrevendo...
(plim)

posted by Cat S | 5:15 da tarde
 

Ja ha dois ou tres dias que esperava por sexta feira.
Chegou.
Neste fim de semana, nenhum minuto por aproveitar.

posted by Cat S | 5:10 da tarde
 

Se abrisse as maos, como quem da, serias cofre?

posted by Cat S | 11:49 da manhã
 

...e nisto.

posted by Cat S | 10:59 da manhã
 

Reparem nisto...

posted by Cat S | 10:38 da manhã


quinta-feira, outubro 23, 2003  

Faço da carne palavra
e deixo que a boca a siga em rectas pautadas.
Vou-me lendo a história minha
vou-me sabendo na conjugação letrada que o dedo acompanha.
E quando encerrar em mim a aparição de mim mesma
Acrescento-me um laço.
Toma-me.

posted by Cat S | 10:34 da tarde
 

Vou fazer um ninho no meio da carpete e adormecer com cheiros de lareira.

posted by Cat S | 10:31 da tarde
 

Sabia certos os sopros de prelúdios firmados, faiscantes de teimosia.
A clandestinidade de ímpetos submersos em vinhos repousantes, o líquido que se vai purpureando em gracejos furtivos, nublados.
Sabia-os certos,
e virei a lanterna para uma outra combinação de elementos, a jogada adivinhada que me permitiu - instantes escorregadios - o torpor de xaile.

posted by Cat S | 10:29 da tarde
 

Há bocas que respiram de longe
o mesmo ar que me enche agora.
A partilha pulmonar que sossega,
no entretanto extenso,
a urgencia do regresso anunciado.

posted by Cat S | 3:07 da tarde
 

Outono

O Verao estende a sua sombra
ate aos teu joelhos: a isso chamavamos Outono.

Na campanula do nevoeiro
o platano incendeia a cinza: oiro e vermelho
inverosimeis como uma tempestade electrica
no ecran da janela;
Uma floracao delirante no olhar
afectado pelo crepusculo,
recordado na paixao.
Depois,
a agua gris lavara tudo
excessivamente.


Manuel Gusmao

posted by Cat S | 10:45 da manhã
 

Dente

Um dente gigante a passear hoje pelas ruas de Lisboa.
Tinha olhos.
Dizia "ola".
Distribuia panfletos.
Gracas ao deuses que a boca respectiva estava longe.

posted by Cat S | 10:36 da manhã
 

Perto

Tempos longos
e tempos lentos.
Se esticar os bracos pela inercia temporal,
serei maior, porque prolongada,
e chegarei ate as horas tuas
em que me desconheces por perto.
Assim, no ponteiro dos dias,
a minha mao
por detras do teu corpo.

posted by Cat S | 9:48 da manhã


quarta-feira, outubro 22, 2003  

A manha de hoje, por me ter acordado mais cedo, acrescentou-me uma sonolencia que vou arrastar pelas horas. A realidade a tocar no sonho.
E na conversa de final de noite apenas um ou outro esfregar de olhos para troca.
(tenho tambem um teclado meio adormecido a impedir-me os acentos)

posted by Cat S | 12:28 da tarde


terça-feira, outubro 21, 2003  

Há,
houve sempre,
uma brisa de poeiras sonantes
que trazem no bico ecos fragmentados,
partículas verbais.
Histórias tuas
ou
um punhado de areia,
que colo às palmas das mãos
cerrando-as depois até rasgar a carne,
para que no sangue que segue
sigas tu também.

posted by Cat S | 9:56 da tarde
 

A chegar...de malas na mão.

posted by Cat S | 1:34 da manhã
 

Breve

Vamos trocar o tempo por ruas de nós mesmos
E vamos percorrer-nos inteiros
Sem nunca nos acharmos terminados,
Porque somos extensos e tocamos a máquina viva no Centro do Mundo
Com dedos tão profundos
Que seremos nós o bater fulcral
No fulcral de cada coisa.

posted by Cat S | 12:29 da manhã

Archives

Content

Links

Mail